quarta-feira, dezembro 21, 2011

Rocinha vive ônus e bônus de cidade grande

A Rocinha, maior favela do Brasil, com 69.161 moradores, de acordo com o IBGE, é a reprodução de uma grande cidade, com crescimento desordenado, seus problemas e benefícios. A fazendinha bucólica dos anos 1930 deu lugar a uma comunidade com ritmo frenético, de origem predominantemente nordestina, comércio intenso e volumoso, ruas lotadas, barulho, violência e engarrafamentos irritantes.
É impossível circular por ali sem ser quase atropelado pelo incessante vaivém dos cerca de mil mototaxistas locais. Como carros e ônibus não chegam a muitas áreas, eles são essenciais no transporte interno a R$ 2, para cumprir as distâncias pelas ladeiras muito íngremes e vielas estreitas – bem além da via principal, a Estrada da Gávea.
Há um mês, o tráfico foi expulso por uma megaoperação da polícia, que ocupou a área de 1,4 milhão de metros quadrados e 25 sub-bairros, após 30 anos de domínio de criminosos.
A população ainda se acostuma à nova ordem, desconfiada entre o alívio da opressão e as reclamações do surto de assaltos ao comércio local e brigas – antes raros –, iniciado na última semana. Muitos ainda temem o retorno do tráfico e a polícia convencional, após a saída do respeitado Bope. 
Veja mais aqui.

segunda-feira, dezembro 19, 2011

Lei Rouanet inflaciona mercado

O fracasso da turnê de 80 anos de João Gilberto reforça a tese: nem um dos maiores artistas brasileiros sobrevive hoje sem recursos públicos das leis de incentivo à cultura.
Anunciada há seis meses e cancelada na semana passada, a série de shows não fazia uso da Lei Rouanet para captar recursos (ela permite que patrocinadores abatam do imposto parte do dinheiro investido em cultura).
Os produtores afirmaram que tentaram convencer mais de cem empresas a investir na turnê. Em vão. Decidiram retirar da bilheteria todo o dinheiro para cobrir os custos. E também seus lucros.
O preço dos ingressos foi às alturas - de R$ 500 a R$ 1.400. Resultado: boa parte encalhou. Shows foram adiados -a assessoria afirmou que o cantor estava gripado.
Na última hora, os Correios toparam investir R$ 300 mil nas apresentações do Rio e de SP. Pouco. E tarde demais.
"Se não uso a Rouanet, não consigo patrocínio. De cada dez empresas, sete perguntam de cara: tem lei de incentivo?", fala Flora Gil, empresária e mulher de Gilberto Gil. "Posso fazer show sem patrocínio? Posso. Mas o preço dos ingressos vai subir."
Veja mais aqui!

quinta-feira, dezembro 15, 2011

Sony condenada por racismo

A gravadora Sony Music foi condenada nesta quinta-feira (15) pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro a pagar R$1,2 mi de idenização pela caráter racista da composição Veja os Cabelos Dela, do cantor e deputado federal Tiririca. O valor da indenização, quue deverá ser pago a dez organizações não governamentais que lutam contra o racismo, é o maior já registrado no Brasil. 
A ação tramita no tribunal desde 2004, quando a gravadora recorreu da condenação. Na época, a indenização foi de cerca de R$ 300 milhões. (Informações do Correio da Bahia)

A seguir, a letra da música:

Veja veja veja veja veja os cabelos dela...

Parece bom-bril, de ariá panela
Parece bom-bril, de ariá panela
Quando ela passa, me chama atenção
Mas os seus cabelos, não tem jeito não
A sua caatinga quase me desmaiou
Olha eu não aguento, é grande o seu fedor

Veja veja veja veja veja os cabelos dela...

Parece bom-bril, de ariá panela
Parece bom-bril, de ariá panela
Eu já mandei, ela se lavar
Mas ela teimo, e não quis me escutar
Essa nega fede, fede de lascar
Bicha fedorenta, fede mais que gambá

Novidade na rede: Empreendedores sociais

Especialistas em mobilização são contratados para estabelecer conexões entre cidadãos e políticos, mas negam vínculo com partidos.

Eles são jovens, politicamente engajados, vidrados em internet e em novas tecnologias...
Dizem sonhar com uma sociedade envolvida nas questões políticas e, cada vez mais, passam a ser contratados, com salários competitivos, para promover causas, projetos e mudança social.

Os serviços prestados pelos chamados "empreendedores sociais" incluem tarefas similares às executadas em uma campanha política eleitoral, como a produção de conteúdo para sites, elaboração de estratégia de divulgação, criação de layout, desenvolvimento de plataformas, coleta de assinaturas e gerenciamento de eventos. Entre uma atividade e outra, saem às ruas para promover debates e estender faixas com a propaganda da causa. A diferença é que as causas, até agora, não têm vínculo direto com partidos, coligações ou candidatos. (Informações do Último Segundo)

A Claro acelerou

A Claro lançou nesta quinta-feira, 15, nova tecnologia de banda larga móvel, chamada de 3G+. Segundo o presidente da empresa no Brasil, Carlos Zenteno, a novidade é uma evolução da tecnologia 3G e um passo anterior à 4G. A Claro investiu R$ 420 milhões ao longo de 2011 para reforçar sua rede e fazer a migração do 3G para o 3G+. A cobertura inicial da nova tecnologia é de 700 cidades. 
Todo cliente da banda larga móvel da Claro, com smartphone ou modem móvel (plaquinha) terá, em média, três vezes mais velocidade nas conexões, informou Zenteno. Atualmente, a velocidade média da banda larga é de 1mbps (megabits por segundo). 
.
Fonte: Gente & Mercado

domingo, dezembro 04, 2011

Governo abandona transposição do São Francisco após eleição de Dilma

Cenário de propaganda eleitoral da presidente Dilma Rousseff e responsável por parte de sua expressiva votação recebida no Nordeste, a transposição do Rio São Francisco foi abandonada por construtoras e o trabalho feito começa a se perder. O Estado percorreu alguns trechos da obra em Pernambuco na semana passada e encontrou estruturas de concreto estouradas e com rachaduras, vergalhões de aço abandonados e diversos trechos em que o concreto fica lado a lado com a terra seca do sertão nordestino.
.
Marcada por controvérsias, a obra da transposição começou a sair do papel em 2007 e, no ano seguinte, com os canteiros em pleno funcionamento, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua então ministra-chefe da Casa Civil e mãe do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) fizeram uma vistoria pela região para fazer propaganda da ação. Os dividendos eleitorais foram colhidos no ano passado por Dilma. Em Pernambuco, Estado onde começa o desvio das águas, ela obteve mais de 75% dos votos válidos no segundo turno da eleição. Nas cidades visitadas pelo Estado, onde as obras estão agora abandonadas, o desempenho foi ainda melhor. Em Floresta, a presidente obteve 86,3%; em Cabrobó e Custódia, 90,7%; e em Betânia, 95,4%.
.
Veja a matéria completa aqui.

sexta-feira, novembro 25, 2011

Cota para deficiente na Copa-2014 gera disputa

O espaço reservado a deficientes físicos em arenas da Copa do Mundo de 2014 transformou-se em polêmica envolvendo autoridades públicas brasileiras sobre os direitos de minorias no evento.

A lei nacional prevê número de lugares bem maior que as normas internacionais e que os projetos das arenas. A diferença chega a até 11 vezes mais, como no Maracanã.
Responsáveis pelas arenas dizem que a legislação brasileira é exagerada e deveria ser revisada. Mas o governo federal defende que a lei seja cumprida. Assim como os representantes de deficientes.
O projeto do Itaquerão conta com 300 lugares para pessoas com deficiência. Pela legislação, teriam de haver 2.720 assentos ou espaços.
A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República defende o cumprimento do decreto 5.296/2004. Veja mais aqui.

quinta-feira, novembro 24, 2011

Prefeitura de Porto Alegre investiga Ronaldinho

A Câmara Municipal e a Prefeitura de Porto Alegre investigam supostas irregularidades em convênios firmados entre o município e o Instituto Ronaldinho Gaúcho, ligado ao jogador do Flamengo.

A prefeitura já constatou problemas na prestação de contas e pediu a devolução de R$ 354 mil referentes a uma das parcerias com o instituto. Outros R$ 500 mil podem ter de ser restituídos.
.
Informações da Folha Online

Primeira-dama de Limeira (SP) é presa

Segundo o Ministério Público, os valores obtidos com os crimes podem ultrapassar R$ 20 milhões e não há confirmação de participação do prefeito Silvio Félix da Silva (PDT) no esquema.
Veja aqui.

Ministério das Cidades adultera documento

Com aval do ministro, diretora de Mobilidade Urbana assina parecer forjado que recomenda projeto de Veículo Leve sobre Trilhos em Cuiabá e desbanca projeto original de linha rápida de ônibus.
Veja aqui.

quinta-feira, junho 30, 2011

Ajudar ilegais dá multa

Ajudar um imigrante ilegal na Espanha pode custar caro: até R$ 230 mil de multa para quem der abrigo, comida e trabalho a estrangeiros sem documentos.

A nova lei de imigração que entra em vigor nesta quinta-feira chega em meio a polêmica; alguns alegam que ela pune a solidariedade e aumenta as vias de deportação.

A legislação tem 264 artigos e já começa com muitas reclamações de ONGs,associações humanitárias e consulados. A principal crítica é que a norma visa facilitar as expulsões.

Entre as medidas mais polêmicas da Lei Orgânica sobre Direitos e Liberdades de Estrangeiros na Espanha estão as multas por ajudar imigrantes em situação ilegal e os novos sistemas para renovação de licenças de residência e trabalho.

Um empregador que der trabalho a um estrangeiro sem documentação cometerá infração muito grave, punida com multa entre R$ 130 mil e R$ 230 mil e com os custos da deportação do trabalhador.

Um espanhol que se comprometer a se ocupar de um visitante através da carta-convite (documento que permite a estância pelo período máximo de três meses) também será punido - multa de R$ 23 mil - caso este turista decida ficar no país morando ilegalmente.

"A única coisa que esta lei consegue é fechar as portas para qualquer integração dos imigrantes. A Espanha está excluindo da nossa sociedade os imigrantes, retirando todos os direitos deles", opinou o secretário-geral da CEAR (Comissão Espanhola de Ajuda ao Refugiado), Alfredo Abad. (Informações do Folha Online)

sexta-feira, junho 10, 2011

Brasil deixa 6,5 milhões de doses para gripe A vencerem

Cerca de 6,5 milhões de vacinas contra a gripe A (H1N1) encomendadas para a campanha de vacinação do ano passado venceram.

O TCU (Tribunal de Contas da União) calculou que a perda das vacinas provocou um prejuízo de R$ 78 milhões - o dobro do que o Ministério da Saúde gastou com o programa de saúde bucal, por exemplo.

O TCU vai notificar o ministério, que terá 30 dias para negociar com os fabricantes o ressarcimento dos produtos vencidos. No ano passado, no primeiro surto da doença, conhecida como gripe suína, 2.051 mortes foram registradas. (Informações da Folha)

domingo, abril 17, 2011

Um Rei pede passagem

Por Dom Murilo Krieger - Arcebispo de Salvador

Ficava cada vez mais claro que não viera para um pequeno grupo de pessoas ou para determinada época. Seu projeto era e é para todas as pessoas, de todos os tempos e lugares. É reino, portanto que não se confunde com os limites territoriais de um país, nem é formado por grupos fechados ou por pessoas que se consideram donas da verdade. É reino que nasce e cresce onde menos se espera.

Na verdade, embora não seja deste mundo, é aqui e agora que esse reino se constrói. Ele cresce quando você estuda ou trabalha, quando se diverte ou reza, quando vence a tentação ou se doa ao irmão necessitado. Cresce quando você perdoa ou é perdoado, quando penetra no ministério de Cristo ou quando leva outros a conhecê-lo.

Quando toma parte num partido político e luta para nele introduzir critérios de justiça e verdade, ou quando se une aos vizinhos num trabalho de mutirão. Cresce quando você faz um retiro espiritual ou quando participa de uma ONG que trabalha por uma nobre causa.

Em cada uma dessas oportunidades ou em tantas outras, é Jesus que está passando em seu caminho e lhe dizendo: Cumpriu-se o tempo e o Reino de Deus está próximo.

Fonte: Leia na íntegra no Jornal A Tarde

sábado, abril 02, 2011

'Carne, Osso' mostra o drama nos frigoríficos

Você trabalharia em um lugar frio, sem janelas, fazendo de 80 a 100 movimentos com as mãos e braços por minuto (o limite considerado seguro é de 35), sem poder conversar com o colega do lado, muitas vezes em pé, durante longas horas?
.
Se uma mosca pousar no seu rosto, você não terá tempo de afastá-la com as mãos: a pressão pela produtividade é grande. Você estará exposto a lesões nos ombros, pescoço, pulso, coluna, atrofia dos nervos, cortes profundos, problemas psicológicos e todas as doenças relacionadas ao estresse. Ainda sofrer acidentes que levem a amputações de membros, pela manipulação constante de serras e facas.
;
O documenário Carne, Osso, de Caio Cavechini e Carlos Juliano Barros e produzido pela ONG Repórter Brasil, revela essas condições em alguns frigoríficos pelo Brasil.
.
Veja na íntegra aqui!

Relatório da PF: Confirmado mensalão no governo Lula

Relatório final da Polícia Federal confirma a existência do mensalão no governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Depois de seis anos de investigação, a PF concluiu que o Fundo Visanet, com participação do Banco do Brasil, foi uma das principais fontes de financiamento do esquema montado pelo publicitário Marcos Valério. Com 332 páginas, o documento da PF, divulgado pela revista "Época", joga por terra a pretensão do ex-presidente Lula de provar que o mensalão nunca existiu e que seria uma farsa montada pela oposição.

O relatório da PF demonstra que, dos cerca de R$ 350 milhões recebidos do governo Lula pelas empresas de Valério, os recursos que mais se destinaram aos pagamentos políticos tinham como origem o fundo Visanet. As investigações da PF confirmaram que o segurança Freud Godoy, que trabalhou com Lula nas campanhas presidenciais de 1998 e 2002, recebeu R$ 98,5 mil do esquema do valerioduto, conforme revelou o Estado, em setembro de 2006. A novidade é que Freud contou à PF que se tratava de pagamento dos serviços de segurança prestados a Lula na campanha de 2002 e durante a transição para a Presidência - estabelecendo uma ligação próxima de Lula com o mensalão. No depoimento, Freud narrou que o dinheiro serviu para cobrir parte dos R$ 115 mil que lhe eram devidos pelo PT.

O relatório da PF apontou o envolvimento no esquema do mensalão, direta ou indiretamente, de políticos como o hoje ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel, do PT.
.
Veja na íntegra aqui e aqui.

terça-feira, março 29, 2011

Ops!

Será que o Terra confundiu óvulos com ovos?
.
Olha só o título e a foto que postaram lá... Tá doido.
.

domingo, março 27, 2011

domingo, março 20, 2011

PC do B fatura com parceiros de 2014 e 2016

Patrocinadores da Olimpíada do Rio-2016 e da Copa de 2014 fizeram doações na eleição de 2010 para o PC do B, partido do ministro do Esporte, Orlando Silva Jr.
.

Levantamento da Folha mostra que o PC do B recebeu R$ 940 mil de patrocinadores da Olimpíada e da Copa, contra nada no pleito de 2002.

Os doadores foram a Coca-Cola, o McDonald's e o Bradesco. As duas primeiras empresas são patrocinadoras dos dois eventos, e o banco, apenas dos Jogos do Rio.

O dinheiro foi dado ao Comitê Financeiro Único do PC do B em três Estados: Amazonas, São Paulo e Rio. O que faturou mais foi o da a capital fluminense, sede da Olimpíada e da decisão da Copa.

A Coca-Cola deu a maior fatia do dinheiro. Principal subsidiária da empresa no Brasil, a Recofarma Indústria do Amazonas Ltda. doou R$ 450 mil aos comunistas. A Rio de Janeiro Refrescos Ltda., distribuidora na capital do Rio, deu R$ 100 mil.

A empresa é a mais interessada nos eventos: está garantida no rol de patrocinadores principais da Fifa (até 2022) e do COI (até 2020).

O PC do B recebeu R$ 350 mil do Banco Alvorada, controlado pelo Bradesco.

No final do ano passado, o banco ganhou a concorrência para prestar os serviços financeiros e de seguros para a Olimpíada de 2016.

A Arcos Dourados Comercio Ltda., nome do McDonald's no Brasil, doou R$ 40 mil aos comunistas.

A rede de alimentação é patrocinadora oficial da Olimpíada desde 1976 e tem contrato até pelo menos Londres-2012. No caso da Copa do Mundo, seu contrato vem desde 1994 e está em vigor.

As doações dos três patrocinadores olímpicos representam em torno de um sétimo do total ganho pelo PC do B nos Estados de São Paulo, Rio e Amazonas (sede da Coca-Cola), os que mais arrecadaram na última campanha.

Feito em conjunto pelo Esporte e pela Casa Civil, a Lei do Ato Olímpico deu exclusividade a esses e outros parceiros do COI no uso de espaços de publicidade em áreas federais relacionadas aos Jogos-2016, como aeroportos. Foi aprovada no Congresso.

Veja também: Verba para comunistas dispara em 4 anos

.

Fonte: Folha Online

terça-feira, março 15, 2011

UPP faz preço de imóveis disparar no Rio

por Cirirlo Junior (Folha)
.
Imóveis situados em bairros que receberam UPPs (Unidade de Polícia Pacificadora) chegaram a dobrar de valor, segundo levantamento do Secovi Rio (Sindicato da Habitação).

Em Copacabana, na zona sul, um imóvel de dois quartos custava, em média, R$ 603,4 mil no final de 2010. Esse valor supera em 101,40% a cotação média de R$ 299,6 mil observada para um imóvel de característica semelhante em junho de 2009, quando a primeira da cinco UPPs do bairro foi implementada.

Botafogo foi o primeiro bairro a receber uma UPP, no final de 2008. Em dois anos, um imóvel de quatro quartos na região ficou 114,12% mais caro -- de R$ 595 mil para R$ 1,2 milhão. Um apartamento de dois quartos teve o preço aumentado em 67% no mesmo período, saltando para R$ 550,1 mil em média.

Em Ipanema, um dos bairros mais nobres da cidade, um imóvel de quatro quartos subiu 158,59% em dois anos. No fim do ano passado, custava, em média, R$ 3,7 milhões. Já uma residência de dois quartos no mesmo bairro ficou 62,14% mais cara, chegando a R$ 1,1 milhão médios.

O aluguel seguiu ritmo parecido. Um imóvel de um quarto ficou 159,53% mais caro desde dezembro de 2008. O aluguel custava, em dezembro de 2010, R$ 1.783 em média, ante R$ 687 há pouco mais de dois anos.

Pagar aluguel de um apartamento de três quartos no mesmo bairro ficou 139,24% mais caro em dois anos -- de R$ 1.570 para R$ 3.756.

Telefônica e Itaú voltam a liderar ranking de reclamações

As cobranças indevidas lideraram o ranking de reclamações dos consumidores na Fundação Procon de São Paulo, segundo a lista divulgada nesta terça-feira.

Esse item respondeu por 28% das queixas fundamentadas --8.855 de um total de 31.509. Esse número se refere às demandas dos consumidores que não foram solucionadas na fase preliminar, resultando na abertura de um processo administrativo.

O Bradesco passou da sétima posição para a terceira e a Samsung pulou da 20ª para a quarta colocação. Já a Claro subiu um degrau e agora aparece como a quinta empresa com o maior número de reclamações.

A Eletropaulo seguiu o caminho inverso, caindo da terceira para a sexta colocação, mas ainda assim deixou de atender 71,1% das reclamações. O número só não é maior --considerando a lista com as dez empresas que estão no topo do ranking-- do que o do Santander (79,1%). Além de cobranças indevidas, a distribuidora recebeu muitas queixas referentes a danos a equipamentos devido aos apagões.

Fonte: Folha On-line

quinta-feira, março 10, 2011

40 kg em 40 dias

Vamos nessa? Não, não é uma dieta. É uma proposta para a Quaresma. Você junta 1kg de alimento não perecível por dia e juntos, no 40º dia, vamos distribuir aos mais necessitados. É fácil conseguir!
.
São decisões simples. Basta não tomar aquele cafezinho ou suspender a sobremesa durante este período. Pondo 100g a menos no prato do almoço também vai ajudar... De quebra você ainda perde peso. Gostou, né? Vamos nessa? Espalha aí e a gente vai conversando. Olha, vai lhe fazer um bem... Papai do Céu vai ficar feliz!

segunda-feira, março 07, 2011

Carnaval 2011: Média de 140 crimes por dia


Nos quatro primeiros dias de Carnaval, em Salvador, foram registradas 562 ocorrências policiais relacionadas à festa, contabilizadas até o final da tarde deste domingo, 6, segundo dados oficiais da Secretaria da Segurança Pública (SSP).
A quantidade de lesões corporais ocorridas em função de agressões praticadas no circuito Dodô ( Barra-Ondina) divulgadas pela SSP-BA não coincidiam com a quantidade de pessoas lesionadas, vítimas de agressões na área do Carnaval, atendidas no Hospital Geral do Estado (HGE). (Informações de A Tarde Online - Foto: Claudionor Junior)

domingo, março 06, 2011

Nova rota da prostituição


O objetivo segue sendo o mesmo: ganhar a vida se prostituindo na Europa. Mas o caminho trilhado por centenas de brasileiras que todos os anos atravessam o Oceano Atlântico dispostas a vender o próprio corpo começa a mudar. Investigações feitas pela Polícia Federal identificaram novas rotas que vêm sendo utilizadas por mulheres e também homens e travestis. No lugar dos voos diretos, com saídas dos aeroportos internacionais do Rio de Janeiro e de São Paulo, viagens mais longas, com escala em Salvador e nos vizinhos Suriname e Guiana Francesa.
Espanha e Portugal são apontados como os dois países que mais recebem brasileiros que vão viver da prostituição. “Além de facilidade de adaptação à língua, o amplo mercado de trabalho para quem quer se prostituir também pesa na hora da escolha”, revela a chefe da Divisão de Direitos Humanos da Polícia Federal, em Brasília, delegada Paula Dora Aostri Morales. A facilidade de locomoção entre os países da União Europeia também incentiva o deslocamento por outros locais, como Itália, por exemplo.
.
Reportagem de Mahomed Saigg (O Dia)

terça-feira, março 01, 2011

Destruíram a camada de ozônio da alegria

por Vinicius Factum (*)
.
Backstage, Salão de beleza, Cyber Café, Sala de Massagens, Boite, Cinema, Hospitality Center, Praça com Jardim Oriental, Lounge, Heliporto... Não é nenhum Shopping Center e nem propaganda de condomínio fechado da classe alta. É o que oferece um dos camarotes daqui de Salvador para quem se habilita a investir para “curtir” a folia e pagar o preço para parecer uma pessoa com uma imagem diferenciada.
Dá status ser de tal camarote, ter uma camisa ou crachá de acesso ao seu interior. O objetivo é ser VIP (pessoa muito importante), pelo menos parecer. Ser celebridade ou estar ao lado de alguma. Compra-se esse direito que não é adquirido.
A mídia incentiva e faz a cobertura desses espaços, dando a impressão de ser uma festa democrática, já que registra os foliões espremidos, pulando no asfalto, como se fosse uma opção estar ali confinado ao seu metro quadrado. É o que lhe pertence, de fato.
É dessa forma que o carnaval da Bahia se apresenta. É nisso que transformaram-no. Um carnaval para privilegiados, para quem tem poder aquisitivo. Uma festa que era popular, onde pobres e ricos se encontravam para brincar descontraidamente e celebrar com música, dança, bebida e muita paixão as suas diferenças. Cadê a essência da festa e todo o seu perfume natural?!
Destruíram a camada de ozônio da alegria. O inesperado, a descontração, o inusitado e o despojamento deram lugar a mercantilização.
Usaram a desculpa da violência para construir guetos nas avenidas da folia. Abortaram o que surgiu de forma espontânea e desprovida de interesses comerciais. Impuseram limites para o folião simples, do povo, que hoje é tratado de forma pejorativa com o nome de “pipoca”. “Eu sou o carnaval em cada esquina!”, já dizia Moraes Moreira.
Também, com o argumento de que o Centro de Salvador ficou pequeno, desviaram a folia para bairros nobres, mas na verdade sabe-se que a pressão dos hotéis foi um fator decisivo, já que é na orla marítima que se concentra a grande rede hoteleira.
Cantores/empresários divulgam com estardalhaço a presença durante os festejos de artistas e personalidades nacionais e internacionais, como se o carnaval baiano precisasse desse link.
As TV´s mostram o carnaval da beleza branca e de olhos verdes. A beleza importada. As câmeras, quando é pra mostrar o povão, faz o registro via aérea. Perigoso aparecer na tela a nossa realidade tão de perto, não é? Pode não dar ibope!
Nessa festa o povo que era a atração principal, hoje foi relegado a coadjuvante e sem cachê. Muito pelo contrário, é exigido um pagamento para poder participar de um carnaval que foi feito por ele e para ele. O povo perdeu o direito de arena. Ou melhor, tiraram-lhe esse direito adquirido. Roubaram-lhe a fantasia!
Os Blocos, que foram criados sem cordas, hoje ostentam a definição de ser (como diz a propaganda de um deles), “o metro quadrado mais bonito da avenida”. Isso tem nome: Segregação social e racial! Para sair em uma dessas entidades, cujos cantores e bandas já são destaques nacionais, é exigida um pagamento em torno de dois salários mínimos... Ai daquele que tiver seu domicílio em bairros que não sejam nobres... Se for negro, ou sai em algum do terceiro escalão ou então em Blocos Afros.
Daqui a algum tempo vão cobrar para você respirar o “ar do carnaval”. Pensando nisso eu já estou guardando algumas garrafas vazias na área de serviço. Guardem as suas também, pois com casco será mais barato.
.
(*) Blogueiro, economista, saxofonista e Paroquiano

"A mão que afaga é a mesma que apedreja..."

por Acúrsio Esteves
.
Fim do século XIX, a Bahia testemunha uma mudança de costumes na sua maior festa popular. Estou me referindo ao nascimento do carnaval e à morte do entrudo. Se o preconceito e a segregação social além da violência física eram as notas destoantes desta manifestação de origem portuguesa, o carnaval recebe este dote como herança e até intensifica o seu caráter hierarquizado concebendo, porém, novos paradigmas lúdicos, estéticos e capitalistas. No entrudo, negros “brincavam” ao lado de brancos, e estes podiam atingi-los com as famosas laranjinhas, farinhas, água fétida e toda a sorte de armas podres, enquanto aqueles só poderiam fazê-lo entre si. Já no carnaval do início do século XX, a "inconveniente" presença dos afrodescendentes e pobres foi alijada do nobre circuito do corso, (onde o préstito trazia a "nata" da sociedade baiana em suntuosos desfiles), e nem sequer imaginada nos seletivos bailes dos salões do Teatro São João, Teatro Politeama, Cruz Vermelha e Fantoches da Euterpe. Formaram-se (a exemplo de hoje) dois circuitos distintos no carnaval de Salvador.
.
Na Rua do Palácio (hoje Chile) acontecia bem comportado o desfile eurocêntrico dos citados clubes e na Baixa de Sapateiros a farra de entidades negras como Guerreiros d´África, Embaixada Africana, Pândegos d´África, evocando e reverenciando suas origens. Dentro deste contexto é que surge em 1950 um elemento que vem promover uma mudança radical na forma de se brincar o carnaval: o trio elétrico. Fruto da musicalidade baiana vindo através da genialidade inventiva da dupla Dodô e Osmar, ele é concebido no início da década de 50. Esta genial criação mais tarde viria a se tornar a marca registrada do carnaval de Salvador, e modificaria por completo e para sempre a estrutura da folia. Sem pedir licença, de forma irreverente e tendo um forte compromisso com a alegria, a dupla Dodô e Osmar à revelia de tudo e todos destrói o “status quo” vigente e decreta a democracia no carnaval através da participação coletiva simultânea onde negros e brancos, ricos e pobres tinham algo em comum: pulavam atrás do trio.
.
Como bem colocado pelos seus próprios criadores referindo-se à multidão que o acompanha, "pula gente bem, pula pau-de-arara, pula até criança, e velho babaquara" ou mais sinteticamente como Caetano "atrás do trio elétrico só não vai quem já morreu". Este caráter libertário e unificador lhe confere a primazia de efetivamente ter uma atitude conseqüente contra o preconceito e a segregação social e racial no nosso carnaval ainda que não de forma intencional, pois, o único objetivo dos seus criadores era o entretenimento pessoal e a diversão da massa.
.
A preferência por essa nova forma de se brincar no outrora plural carnaval de Salvador veio se acentuando a partir da década de 50 atropelando tudo e todos que não se rendessem aos seus acordes contagiantes. Entidades carnavalescas como Escolas de Samba, Blocos de Índio, Afoxés, Cordões e Batucadas foram gradativamente se não extintas, quase desaparecidas. Sua atuação quase hegemônica, monopolizando a preferência e atenção popular e divulgando nacionalmente o carnaval de Salvador, veio em fins da década de 70 e início de 80, aprisioná-lo nas cordas dos blocos que já vislumbravam o seu poder como elemento facilitador de apropriação de capital. Estes, em seu favor, abdicaram no tradicional sopro e percussão, iniciando um processo no qual o trio passaria a ser uma propriedade particular, reconduzindo às ruas uma hierarquia social, econômica e racial perdida no tempo, contribuindo sobremaneira para a atual privatização desregrada do espaço público. O trio libertário, servo e promotor do prazer, passou a ser refém da sua própria alegria e reescreveu a história dividindo de novo os foliões que outrora ele juntou num caldeirão de euforia, em associados e pipocas, pobres e ricos, negros e brancos. Virou passarinho cantando na gaiola para quem poder pagar mais.
.
Dentro desta lógica capitalista, os antigos grilhões por ele arrebentados na década de 50 são, por seu intermédio, recolocados no povo. O trio ocupou o lugar de agente da discriminação, da segregação e do preconceito a serviço das elites econômicas e seus "podres poderes" legalmente constituídos. Perde o significado a assertiva de Moraes Moreira, quando este diz em uma das suas composições em comemoração aos 25 anos do trio, se referindo ao nosso carnaval "É o lugar do mundo inteiro que se brinca sem dinheiro, basta só existir e na vida passar um Trio Elétrico de Dodô e Osmar". A cor da pele, a posição social, endereço nobre (ou pobre) voltaram a fazer diferença. A alegria do trio agora tem preço (caro) e nome: Eva, Cheiro de Amor, Camaleão... Ele que antes era do povo, para o povo e pelo povo, hoje é classificado como "de bloco" e "independente". Independente... Porreta essa!!! É de fazer Dodô e Osmar se arrepiarem e revirarem no túmulo.
.
Início do século XXI, o "agente da alegria", refém (sem direito a resgate) do poder econômico, massifica uma padronização estética que empobrece e privatiza a festa e sufoca, ou melhor, aniquila a criatividade popular. Esta padronização é responsável pelo que o Profº Joaquim Maurício Cedraz Nery chama de militarização do carnaval, que se caracteriza pela presença do uniforme (abadá), da quase uniformidade do ritmo (axé, pagode), das evoluções coreografadas no percurso, da posição na fila e revezamento do comando (mesmos "cantores" atuando em todos os "regimentos", digo, blocos). Este novo modelo de carnaval tem no turismo seu mais recente e rentável filão econômico, um promissor caminho para a sua esclerose e autofagia.
.
Pois é leitores, o paraibano Augusto dos Anjos (chamado o poeta do mau gosto) está coberto de razão quando diz: "O beijo, amigo, é a véspera do escarro, a mão que afaga é a mesma que apedreja". Está aí o trio elétrico que não lhe deixa mentir... Já se disse que o mundo dá voltas, que a história se repete, é cíclica etc., e nós estamos vivos para testemunhar mais uma vez o povo ser usurpado de mais um patrimônio cultural em favor da elite. Pobre folião de Salvador. Pobre carnaval da Bahia!
.
Fonte: A Tarde Online

domingo, fevereiro 27, 2011

Carnaval 2011: Quem fica e quem sai

Segundo a pesquisa denominada “Suplemento do Carnaval 2010”, 77,9% preferem mesmo é escapar do Carnaval de Salvador. Destes, 60,5% preferem ficar em casa e envolver-se em atividades como ver televisão, ouvir música e acessar a internet. O restante viaja e, neste universo, a maioria (89,8%) prefere outras cidades baianas.

A maior parte da população não participa de forma presencial mas, dessa parcela, 86,1% fica conectada à festa por meio da televisão.

O estudo que ouviu 9.381 pessoas em julho, agosto e setembro do ano passado revelou, também, que 42,6% dos soteropolitanos que não saem às ruas ouvem música e 30,3% acessam à internet.

O estudo atestou, ainda, que a maioria dos soteropolitanos que brincam Carnaval fazem a festa fora das cordas dos blocos e longe dos camarotes. Enquanto 58,9% é composta por foliões pipoca, apenas 15,6% corresponde a pessoas que saem em blocos.

Para este ano o governo do Estado reduziu em 24% o orçamento para o Carnaval. Em 2010, foram investidos R$ 12 milhões. Este ano, pouco mais de R$ 9 milhões. Por conta da crise orçamentária, muitos artistas contratados para animar o folião pipoca tiveram que reduzir as apresentações.
.
Fonte: A Tarde Online

Tribunal na Bahia paga personal trainer com dinheiro público

por Thiago Guimarães, iG Bahia

O Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região, com sede na Bahia, vai gastar até R$ 3.145 por mês em recursos públicos na contratação de um personal trainer para dar aulas de corrida a juízes e servidores.

O pregão eletrônico 050/2010 do TRT-5, publicado em 9 de fevereiro e realizado na última quinta-feira (23), teve por objetivo “contratação de empresa para prestação de serviço de assessoria esportiva sob supervisão de profissional com experiência em ministrar aulas de corrida para os magistrados e servidores do TRT 5ª Região”.

A vencedora da licitação foi a empresa MC Saúde e Estética, de Salvador, que receberá R$ 62,90 por servidor que participar das aulas. A dona da empresa, Márcia Conrado, disse ao iG que o edital prevê a prestação do serviço para até 50 servidores, o que perfaz os R$ 3.145 mensais.Segundo Conrado, o objetivo é a formação de um “clube de corrida” entre os servidores do TRT-5.

Seis empresas participaram do pregão eletrônico (modalidade de licitação), que teve como critério o menor preço por participante das aulas. Durante o pregão, os lances começaram em R$ 120 e caíram até R$ 62,90 por aluno. O edital da licitação não prevê o tempo do contrato. Em um ano, por exemplo, os gastos totais do TRT-5 seriam de R$ 37.740, considerando a participação de 50 servidores nas aulas de corrida.

A direção do TRT-5 informou, por meio de assessoria de imprensa, que a contratação do serviço se deu em razão do elevado índice de doenças ocupacionais verificado entre servidores do tribunal. Segundo o TRT-5, trata-se de uma ação de promoção de saúde que procura, sobretudo, incentivar os funcionários a praticar atividades físicas. O tribunal afirmou ainda que a ação pode, inclusive, gerar economia aos cofres públicos, ao eventualmente reduzir o número de afastamentos de servidores por motivos de saúde.

domingo, fevereiro 20, 2011

Segundo Tempo suspeito

Principal programa do Ministério do Esporte, comandado por Orlando Silva, o Segundo Tempo, além de gerar dividendos eleitorais, transformou-se num instrumento financeiro do Partido Comunista do Brasil (PC do B), legenda à qual é filiado o ministro.
.
O Programa Segundo Tempo foi criado no começo do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na teoria, o objetivo é oferecer a crianças e jovens carentes oportunidade de prática esportiva após o turno escolar e nas férias.
.

A reportagem do Estado foi conhecer os núcleos do Segundo Tempo no Distrito Federal, em Goiás, Piauí, São Paulo e Santa Catarina. A amostra, na capital e região do entorno, no Nordeste mais pobre ou no Sul e no Sudeste com melhores indicadores socioeconômicos, flagrou o mesmo quadro: entidades de fachada recebendo o dinheiro do projeto, núcleos esportivos fantasmas, abandonados ou em condições precárias.

As crianças ficam expostas ao mato alto e a detritos nos terrenos onde deveriam existir quadras esportivas. Alguns espaços são precariamente improvisados, faltam uniformes e calçados, os salários estão atrasados e a merenda é desviada ou entregue com prazo de validade vencido.

No site do ministério, o Segundo Tempo é descrito como um programa de "inclusão social" e "desenvolvimento integral do homem". Tem como prioridade atuar em áreas "de risco e vulnerabilidade social", criando núcleos esportivos para oferecer a crianças e jovens carentes a prática esportiva após o turno escolar e também nas férias.

Conferidas de perto, pode-se constatar que as diretrizes do projeto, que falam em "democratização da gestão" foram substituídas pelo aparelhamento partidário.

O Segundo Tempo está, majoritariamente, nas mãos de entidades dirigidas pelo partido e virou arma política e eleitoral. Só em 2010, ano eleitoral, os contratos com essas entidades somaram R$ 30 milhões.

O dinheiro deveria ser usado para criar 590 núcleos e beneficiar 60 mil crianças carentes. Na procura por um núcleo cadastrado na cidade do Novo Gama (GO), por exemplo, a reportagem encontrou um terreno baldio onde deveria funcionar um campo de futebol. Cerca de 2,2 mil crianças foram iludidas na cidade por uma entidade sem fins lucrativos fantasma.

No Novo Gama, o programa Segundo Tempo é só promessa, mas, na última campanha eleitoral, foi usado como realidade pelo vice-presidente do PC do B do DF, Apolinário Rebelo. O mesmo ocorreu na Ceilândia (DF).

Em Teresina (PI), no lugar de uma quadra poliesportiva os jovens usam um matagal, onde improvisam tijolos e bambus para jogar futebol e vôlei. Do lado de fora, no muro do terreno, a logomarca do Segundo Tempo anuncia que ali existiria um núcleo do programa. O local é um dos espaços cadastrados por uma entidade que já recebeu R$ 4,2 milhões para cuidar do projeto. Seus dirigentes são do PC do B.

Lideranças de comunidades carentes de Santa Catarina criticaram a intermediação do Instituto Contato, dirigido pelo PC do B, no Segundo Tempo e anunciaram que abriram mão do projeto. Aulas de tênis são dadas na calçada, com raquetes de plástico. Em Florianópolis, a reportagem encontrou um lote de suco de groselha com validade vencida num núcleo do programa

A campeã de recursos do governo é a ONG Bola Pra Frente, dirigida pela ex-jogadora de basquete Karina Rodrigues, vereadora de Jaguariúna (SP) pelo PC do B - R$ 28 milhões foram repassado à entidade desde 2004.

Fonte: Estadão


domingo, fevereiro 13, 2011

Butantã, "terra duríssima".

Por não terem herdeiros, o português Afonso Sardinha e sua esposa doaram suas terras à igreja de São Paulo, em 1750. Os jesuítas dividiram as terras em 19 grandes sítios, que foram posteriormente arrendados. Podemos destacar os seguintes jesuítas que vieram ao Brasil no século XVI: Padre Manoel da Nóbrega, Padre José de Anchieta e Padre Antônio Vieira.
.
Os jesuítas eram padres da Igreja Católica que faziam parte da Companhia de Jesus. Esta ordem religiosa foi fundada em 1534 por Inácio de Loiola. A Companhia de Jesus foi criada logo após a Reforma Protestante (século XVI), como uma forma de barrar o avanço do protestantismo no mundo. Portanto, esta ordem religiosa foi criada no contexto da Contra-Reforma Católica. Os primeiros jesuítas chegaram ao Brasil no ano de 1549, com a expedição de Tomé de Souza.
.
Em 1760, alegando conspiração contra o reino português, o marquês de Pombal expulsou os jesuítas do Brasil, confiscando os bens da ordem.
.
As terras (19 grandes sítios) então foram passadas para o Estado. Em 1799, Bárbara do Espírito Santo arrendou toda a área e anos mais tarde deixa em testamento a metade do terreno para Ana Rodrigues Oliveira e sua irmã Maria Garcia Paes que passaram para o Sargento Mor Policarpo de Oliveira em pagamento de uma divida. Quase um século depois, em 1889, a propriedade chamada Fazenda Butantã é comprada pelo Dr. Arnaldo de Oliveira Barreto.

Em 1898, urna. equipe da Secretaria Estadual da Saúde, da qual participava o médico e cientista Vital Brasil, identificou um surto epidêmico de peste bubônica no porto de Santos, que ameaçava alastrar-se. A urgência de um soro levou o Estado a instalar um edifício para a produção do mesmo em um local distante do centro da cidade. E assim foi escolhida a fazenda Butantã, comprada do Dr. Arnaldo. Em fevereiro de 1901 foi inaugurado oficialmente o instituto Serumtherapico, posteriormente Butantã. O bairro foi se desenvolvendo lentamente a partir do eixo Instituto-USP. Hoje, é um exemplo do paradoxo paulistano. Nele convivem áreas de ricos, de classe média alta, média baixa, pobres, e favelados.. São 51 favelas, uma delas situada no bairro mais rico da capital: o Morumbi.

Butantã é uma palavra de origem tupi-guarani que significa "terra duríssima".

Fonte de pesquisa: Suapesquisa.com / Sampa.art / Bairrobutanta.com.br

domingo, fevereiro 06, 2011

"Ter empregadas no Brasil é sinônimo de status"

Contar com alguém contratado para realizar os serviços domésticos é sinônimo de status no Brasil. E muitas pessoas acabam não realizando as tarefas na própria casa porque elas estariam ligadas a algo menor. As relações escravistas do passado ajudam a explicar a situação.
.
A opinião é do professor de direito constitucional da Universidade Federal Fluminense Cássio Casagrande, que também é procurador do Ministério Público do Trabalho.

Para ele, essa questão cultural é a que mais explica o fato de quase três quartos dos empregados domésticos não terem carteira assinada.

"As pessoas não querem fazer seu próprio trabalho doméstico. Mesmo alguém de classe média baixa quer ter uma empregada e as contratam sem condições de pagar pelos direitos", afirma.

De acordo com dados da Pnad de 2009, entre os mais de 7 milhões empregados domésticos do país, apenas 27,5% têm carteira assinada. Mais de 90% desses empregados são mulheres.
.
.
Fonte: Folha Online

Degradação cresce nas ruas de Nazaré

Os monumentos, avenidas e ruas lembram momentos e personagens marcantes da história. No entanto, o que mais é lembrado por moradores e frequentadores do bairro de Nazaré são os atuais problemas de infraestrutura e a insegurança.
.
Veja na íntegra aqui.

sexta-feira, fevereiro 04, 2011

Uma doação proibida

Serrurrier, de 52 anos, considerado pelos médicos como 99% geneticamente compatível com Courrier, se ofereceu para lhe doar um rim, mas como eles não possuem parentesco perante os olhos da lei, o comitê de biomedicina se recusa a autorizar o transplante.
.
'Passei 12 anos tentando localizá-lo e faz 25 anos que o encontrei. Temos uma relação muito próxima, nos vemos regularmente. Ele é meu irmão', disse Courrier à BBC Brasil.
.
Veja a matéria completa aqui!

domingo, janeiro 23, 2011

O Retiro de São Francisco sob ameaça

por Samuel Celestino (Jornalista)
.
De há muito se chama à atenção sobre a tramada negociação da grande área ocupada pela Casa do Retiro de São Francisco, em Brotas, entre a Avenida Waldemar Falcão e o Candeal, uma das mais valorizadas da Bahia. A casa é administrada pelo Núcleo Provincial, cuja sede fica em Recife. Este núcleo estaria comum a dívida em torno de R$ 28 milhões e pretenderia resgatá-la coma venda de um patrimônio que é, essencialmente, baiano. Por ora, nenhuma autoridade do Estado se pronunciou sobre esta causa de importância para a cidade.

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos, também não.

Ele busca investimentos no Sul e não seria justo que desejasse também levar recursos da Bahia, como, aliás, os baianos o fizeram em relação à Ford, que iria se instalar no Rio Grande do Sul. O caso aí, no entanto, é muito diferente.

O então governador gaúcho petista, Olívio Dutra, recusou-se a oferecer vantagens fiscais à montadora e o então governador baiano César Borges, ousadamente, investiu: voou para o Rio Grande e lá negociou com a Ford, sob o protesto da imprensa gaúcha contra Olívio, que não deu ouvido.

Hoje, a Ford comanda um polo automotivo que, infelizmente, gorou. Mas transfere boa parcela de impostos ao tesouro baiano, além de oferecer em torno de 20 mil empregos diretos e indiretos.

A casa do retiro I

Estou a me desviar da campanha para preservar a Casa de Retiro São Francisco. O diretor geral do Ipac, Alexandre Mendonça, lavou as mãos.

Disse, “inocentemente”, que o Retiro “não é referencial para Salvador”. Poderia encontrar saída melhor do que seu disparate.

O Ipac procurou uma saída fácil e, se me permitem, burra. Não faz muito, este mesmo Ipac – Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia – diante de pressões de ex-alunos, tombou para não ser vendido o Colégio Marista, no Canela. Entre o valor do terreno do antigo Maristas, num bairro que já foi, em outros tempos, de elite e sossegado, e o da Casa do Retiro, valorizadíssimo, não há comparação.

As empresas incorporadoras estão ávidas pelo imenso terreno – um belo bosque com árvores centenárias, casa de descanso, trilhas para passeio e capela – para degradá-lo com espigões.

Então, tombar o Maristas que tem importância, não há desenegar, para gerações que lá estudaram, enquanto a Casa do Retiro, não tem? Que diferença há sobre o tal conceito que o Ipac inventou sobre o “referencial para Salvador?”.

Deu a louca no Ipac, ou há gatos miando no telhado da casa de orações? Será que o diretor do Ipac não enxerga que inventou uma saída absurda que não dá para digerir.

Não vê que está numa trilha completamente errada, senão suspeita, por suposição, tendo, no centro, interesses imobiliários? Será que a sua suposta competência e correção não o impelem a compreender que entre o colégio e a casa no máximo há fatores semelhantes, senão favoráveis ao imóvel de Brotas? O ex-diretor do Ipac, Ordep Serra defende o tombamento.

Salvar a Casa do Retiro é uma exigência.

A casa do retiro II

Vou contar uma pequena história.

No início dos anos 70, o banco mais tradicional do Estado, o Banco da Bahia, foi vendido, numa negociação rápida e surpreendente pelo seu principal acionista, Clemente Mariani. O banco era centenário ou quase, orgulho dos baianos. O governador ACM, no seu primeiro mandato, entrou em cena para desfazer o negócio. Não conseguiu.

Em resposta, tomou uma decisão inusitada, marcada por rompante de prepotência e atropelou a legislação.

Retaliou determinando a desapropriação do Morro Clemente Mariani, homem público de conceito nacional, que fica defronte do Iate Clube e do Cemitério dos Ingleses, na Ladeira da Barra.

Houve uma grande repercussão, amplamente favorável ao ato que, segundo o então governador “era para se construir no local um manicômio”.

O que fez de errado, atropelando, hoje Salvador agradece ao governante morto.

Como “boom” imobiliário, a Barra foi ocupada e, como pulmão do bairro, ficaram o Morro desapropriado – que no futuro poderá ser (e já deveria ter sido construído) um belíssimo parque para a população – e o Morro do Gavazza, que ocupa uma extensa área, pertencente à Marinha.

Não fossem os dois pulmões preservados, a Barra hoje seria (aliás, quase já é) absolutamente inabitável.

Quando passo pela Ladeira da Barra olho sempre para o Morro Clemente Mariani, encimado por um belo casarão.

O futuro acabou dando razão a uma medida de retaliação, que sempre me pareceu, e ainda me parece, absurda, embora hoje eu a aceite com alegria e até com uma ponta de agradecimento por amar esta cidade degradada e de gestão desvairada.

A casa do retiro III

Assim, Salvador corre o risco de perder mais um marco da cidade em razão da ameaça que paira sobre a Casa de Retiro São Francisco, administrada pela Ordem Franciscana de Salvador juntamente comas Irmãs Franciscanas, já afastadas da casa. A direção está por conta do Provincial, cuja sede fica em Recife, que estuda a venda do bosque para que nele sejam construídos edifícios que favoreçam, deste modo, à especulação imobiliária e sufocar um pouco mais Salvador.

O Retiro São Francisco foi construído pelo frei Hildebrando Kruthoup em área doada por Norberto Odebrecht, que o construiu sem cobrar um centavo sequer, e foi inauguradanodia6demarço de 1949. Em torno do local há um imenso bosque todo arborizado, denominado Bosque da Via Sacra, onde se encontra a sepultura do frei Hildebrando, cujo busto que adorna a entrada principal também foi doado por Norberto Odebrecht. Não dá para conceber – e aceitar passivamente – mais este crime contra aos valores culturais da cidade do Salvador, que cada vez mais são destruídos pela insaciável especulação imobiliária.

É absolutamente necessário que a Casa do Retiro seja preservada, urgentemente, mediante tombamento a ser feito, ou até, por desapropriação.

Espero que Pernambuco não leve uma parte da Bahia.

quarta-feira, janeiro 12, 2011

Bahia sob risco de epidemia

O levantamento divulgado nesta terça-feira (11) pelo Ministério da Saúde classificou Salvador e as principais cidades do interior baiano, na zona de alto risco de epidemia de dengue. Além da capital, Camaçari, Feira de Santana, Vitória da Conquista, Juazeiro, Ilhéus e Itabuna, todos com mais de 200 mil habitantes, estão na lista. (Informações da Tribuna da Bahia)

Após perder Zilda Arns, Pastoral da Criança volta ao Haiti

É na cidade de Fort-Liberté, a 290 km da capital Porto Príncipe, que a Pastoral da Criança retoma seu trabalho no Haiti, interrompido pela morte da fundadora da entidade, Zilda Arns, no tremor.

Atualmente, 250 pessoas, entre gestantes, mães e recém-nascidos, são acompanhadas por 28 voluntários.

Os agentes visitam as casas, dão orientações sobre hábitos de saúde, higiene e alimentação e ensinam as mães a preparar o soro caseiro, seguindo a fórmula adotada pela Pastoral no Brasil desde a década de 80. (Informações da Folha Online)